dezembro 01, 2015

É preciso exigir de cada um, o que cada um pode dar

- Eu desejava ver um pôr de sol... Fazei-me esse favor. Ordenai ao sol que se ponha.
- Se eu ordenasse a meu general voar de uma flor a outra como borboleta, ou escrever uma tragédia, ou transformar-se em gaivota, e o general não executasse a ordem recebida, quem - ele ou eu - estaria errado?
- Vós, respondeu com firmeza o principezinho.
- Exacto. É preciso exigir de cada um, o que cada um pode dar, replicou o rei. A autoridade repousa sobre a razão. Se ordenares a teu povo que ele se lance ao mar, farão uma revolução. Eu tenho o direito de exigir obediência porque as minhas ordens são razoáveis.
O pequeno príncipe - Antoine Saint-Exupéry




Não sei bem como começar esse texto ou o que escrever aqui, apenas preciso desabafar algo que está sufocando meu peito, algo que vem me impedindo de comer, pensar, agir, falar... algo que me decepcionou, alguém que eu sempre confiei e esperei que me desse a mão quando eu caísse, mas que acabou me empurrando sem dó, destruindo todos os anos de confiança, todos os anos que levei para construir uma amizade, foram destruídos em menos dois minutos.

Eu não tenho o costume de falar sobre mim, já até escrevi vários textos que me descrevessem, mas em nenhum fui completamente sincera comigo mesma, eu sou uma bagunça, um furacão e na maioria das vezes nem eu me entendo, mas sempre faço o que posso para entender cada uma das pessoas que convivem comigo. As vezes eu falho, lógico, não sou perfeita e nem me esforço para ser, mas sempre que posso me colocar no lugar do outro, assim faço... e mesmo assim ainda há aqueles que apontam o dedo para me julgar, para exigir de mim algo que eu não posso dar (não posso e nem quero). 

Durante esse ano de 2015 eu passei por muitas experiências ruins, briguei com muitas pessoas por conta do meu jeito, mas de algo eu tenho certeza absoluta, eu amadureci nesse ano como nunca. Eu aprendi a me colocar em primeiro lugar, resolver meus problemas e depois me importar com os outros, aprendi também a abrir a porta para quem quisesse sair. Parei de exigir atenção, parei de me importar com tudo, simplesmente cansei de sofrer pelo mundo. 

E como já era de se esperar minhas mudanças não agradaram algumas pessoas, todos estavam acostumados com o meu silêncio sempre aceitado tudo de cabeça baixa sem questionar, mas tudo mudou e agora eu debato e mostro que eu também tenho personalidade, que eu também tenho opinião e que eu também mereço respeito.

Sei dos meus defeitos, mas não quer dizer que eu vá muda-los, eles são parte de mim, me fazem ser quem sou. As vezes sou calmaria, outras vezes tempestade e até mesmo um furacão. Há dias em que quero sorrir independente do que aconteça, já em outros fico com a cara emburrada quieta num canto só com vontade de chorar. Sou complicada, as vezes imatura e em outras matura até demais. Sou tudo ou nada, não consigo ser meio termo, não consigo amar pela metade. 

Não espere que vou ser sempre compreensiva, nem que vou acertar em tudo, ou que vou perdoar qualquer coisa. Não ache que eu sou de ferro, que eu não choro ou que tudo que eu faço é drama, não espere de mim sempre as palavras certas, não enxergue em mim uma pessoa perfeita, eu gosto dos meus erros, gosto do meu jeito de ser eu mesma e não gosto que exijam de mim algo que eu não posso dar, algo que eu não quero dar...

Eu sou feita de erros, eu sou humana, eu também preciso de compreensão. Não me peça para explicar o por que de eu ser assim, para mim não precisa fazer sentido ou ter motivo, preciso apenas ser quem eu sou, sem precisar fingir. Ultimamente eu tenho precisado disso, de mais sinceridade comigo mesma... críticas são bem aceitas (quando construtivas e não quando vem para julgar), tenho meus medos, minhas vontades, coisas que são só minhas, um jeito que é só meu e que eu jamais irei mudar para agradar quem quer que seja.

Para finalizar esse desabafo, preciso dizer que errei feio em ter confiado demais num solo que as vezes se demonstrava inserto. Hoje estou sem chão, estou sem reação, estou como alguém que acabara de receber uma facada inesperada, estou decepcionada e infelizmente muito magoada, mas aliviada por saber que a vida fez questão de me mostrar em quem eu realmente deveria confiar.

Me acompanhe nas redes sociais

2 comentários:

  1. Lávínia , cheguei aqui agora , pelo blog Caligrafando-te e já me identifiquei muito , principalmente com esse texto . Assim como você , eu também levava as prioridades dos outros acima das minhas , e aceitava tudo de cabeça baixa . Embora não tenha conseguido por completo , eu estou mudando . Estou me esforçando pra isso . Espero que 2016 seja pra mim , como 2015 foi pra você .
    Um ano de mudanças . :)


    Beijos ♥

    cancoeseflores.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Seja bem vinda Eva ♥ O melhor sentimento de todos é o de liberdade, saber que estamos livres de tudo aquilo que prende o nosso riso, que nos impede de ser quem nós somos de verdade, que nos impede de ser feliz, sabe? E foi pensando nisso (e em outras coisas) que cheguei a conclusão de que mudar seria bom a mim mesma. Foi complicado no inicio, mas todo esforcinho vale à pena se tratando da nossa própria felicidade. Desejo que consiga realizar suas mudanças e que se sinta bem com elas. Obrigada pela visita, tá? Beijos ♥♥

      Excluir

Pessoinha, obrigada por deixar seu comentário! Lembrando que não gosto de spans, ok? Nada de "Seguindo, segue de volta?" Se você deixar o link do seu blog, eu vou visitar e se eu gostar vou seguir ♥ Beijos!

 
∴ Aventuras Literárias 2016 - 2018 ∴ © Todos os direitos reservados // Créditos // voltar para o topo